VT_Tematica_Dermatologia_detail.jpg VT_Tematica_Dermatologia_detail.jpg
  • Tempo de leitura: 5 mins

    Lagarta do pinheiro: diagnóstico precoce e sintomas nos cães

    Os pêlos urticantes da processionária (ou lagarta do pinheiro) encontram-se sobre a zona do lombo e originam sintomas graves nos cães. Estes pêlos são libertados para o ar como mecanismo de defesa da lagarta.

    Os pêlos urticantes da processionária (ou lagarta do pinheiro) encontram-se sobre a zona do lombo e originam sintomas graves nos cães. Estes pêlos são libertados para o ar como mecanismo de defesa da lagarta. Também permanecem em forma de restos nos ninhos, pelo que não é recomendável deixar que o cão se aproxime deles ou que os manipule. O contacto da processionária com a pele do cão desencadeia uma dermatite urticante de características tóxicas e irritantes na zona de contacto.

    Descarregue de forma gratuita → Relatório sobre o papel da dieta na dermatite  atópica canina. Inclui: tratamento nutricional para diminuir a resposta inflamatória,  hipersensibilidade, prurido..

    A reação inflamatória prolonga-se devido à capacidade que os pêlos urticantes possuem de permanecer cravados na zona muco-cutânea. A localização, o tipo de contacto e a precocidade do tratamento estão relacionados com o prognóstico e as sequelas. A zona de contacto mais frequente é o focinho, zona onde (de acordo com a zona afetada) se irá desencadear glosite, queilite e/ou estomatite. As lesões iniciam-se sob a forma de erosão e progridem originando úlceras e necrose dos tecidos. Os pêlos urticantes transportados pelo ar podem ter contacto com a zona ocular e nasal, originando blefarite ou úlceras corneais e rinite aguda.

    A sintomatologia que se observa após o contacto começa com nervosismo, tendência para tocar na boca com as patas, deglutições repetidas e hipersalivação. Irão surgir vómitos em caso de ingestão. Este processo evolui rapidamente para um angioedema, que pode chegar a impedir o encerramento da boca do animal, além de uma cianose lingual e rânula. Se o problema persistir, as manifestações clínicas progridem para uma afetação sistémica sob a forma de dispneia, edema da laringe, hipertermia, convulsões, podendo originar uma coagulação intravascular disseminada e, em último caso, a morte. As alterações produzidas pelo contacto direto dos pêlos urticantes reagem positivamente ao tratamento específico, e raramente estão associadas a outras complicações.

    O diagnóstico precoce é importante para limitar as sequelas e baseia-se numa adequada anamnese do meio envolvente (deve-se considerar a época do ano, possíveis contactos com a processionária) para o diferenciar de um quadro de alergia aguda a outros agentes alergénios. Também se deve descartar a picada de insetos, o contacto ou ingestão de substâncias cáusticas e a eletrocussão por morder cabos.

    O tratamento baseia-se na utilização de corticoides de ação rápida por via intravenosa ou intramuscular (dexametasona 1-4 mg/kg, metilprednisolona 8-15 mg/kg) associados a anti-histamínicos (difenhidramina 1-2 mg/kg). Também se podem administrar injeções locais de corticoides na língua (cuja dose será metade da dose sitémica) com sedação prévia do paciente. Em caso de anafilaxia indica-se a administração de epinefrina subcutânea (solução 1: 1000, 0,1-0,5 ml/animal) ou de adrenalina 0,01 mg/kg iv lenta ou endotraqueal (0,2 mg/kg) se o cão estiver entubado.

    O tratamento agudo deverá ser acompanhado de: proteção gástrica e antibioticoterapia (metronidazol 20 mg/kg associado a enrofloxacina ou espiramicina 75000 UI/kg).

    O cão terá alta após a sintomatologia estar controlada, e após se verificar que consegue ingerir alimentos sem ajuda (nalguns casos será necessário iniciar nutrição enteral ou parenteral até a inflamação da mucosa diminuir e as lesões serem tratadas). No domicílio, será necessário continuar com o tratamento antibiótico, a proteção gástrica e a terapia com corticoides (prednisona a 0,5-1 mg/kg/12-24h vo). Também se recomenda administrar uma dieta que ajude a reestabelecer a integridade da pele e a diminuir a inflamação, tal como a Advance Veterinary Diet Atopic Care

    Deverá evitar-se que o cão esfregue a zona lesionada, dado que a fricção quebra os pêlos cravados, libertando mais toxinas. As lavagens da zona de contacto com água quente são indicadas, dado que o calor desativa a toxina; também se pode utilizar vinagre ou sabão.

    A melhor medida de prevenção é evitar o contacto do cão com a lagarta processionária: evitar passeios por zonas de risco (pinhais ou zonas adjacentes aos mesmos, já que podem ser transportadas pelo vento) entre os meses de fevereiro até abril, proceder à eliminação de ninhos nas árvores do nosso domicílio (devem ser queimadas e realizar-se uma desinfestação da praga) e avisar as autoridades competentes no caso de serem avistados indícios da praga em zonas de jardim ou bosque.

     

    CR Microbiota

    Josep Campmany
    Nº de cédula profissional: COVB 1125

    Licenciatura em Veterinária pela Universidade de Saragoça e Advanced Management Program. Marketing Management (ESADE, Barcelona)

    alba-jimeunez-martiunez84.jpg
    Seborreia em cães: diagnóstico e tratamento
    A seborreia em cães pode ter várias causas, por isso, geralmente, não deve ser considerada um diagnóstico final, mas sim uma descrição de uma apresentação clínica.
    marta-carrasco87_1.jpg
    Alopecia em cães com doença sistémica
    A presença de alopecia em cães pode ser um marcador diagnóstico da existência de uma doença sistémica.
    verounica-hoensch96_0.jpg
    Utilidade do tricograma em cães com problemas dermatológicos
    ​O tricograma em cães é uma das técnicas de diagnóstico que mais informação providencia em dermatologia e tem um custo baixo.